“Grande Sertão: Veredas” visto (e relido) na França*

Com este título, o único romance publicado por João Guimarães Rosa há 54 anos, o livro brasileiro continua apaixonando e desafiando leitores ao redor do mundo. Além do mérito de “superar o isolamento das literaturas ditas ‘pequenas’, como sublinha Otto Maria Carpeaux (1), este livro de J.G. Rosa (com todos os adjetivos, que inclui grandioso) vem sendo traduzido em diversos idiomas, sempre desafiando tradutores – como destaca Marie-Hélène Catherine Torres (2) e leitores (como reforça o crítico francês Juan Asensio).

O crítico francês Juan Asensio nos faz voltar à estante Guimarães Rosa_Estante (3) e de lá retirar esta obra-prima (no meu caso, lida no final da década de 70, e desde lá encadernada e não mais revisitada, senão para citações, p.ex. sobre as poucas referências a Goiás), pois que de fato o desejo criado pela leitura pode ser mesmo musical, como se aquele que se (re)aproxima deste livro-rio, ouvisse uma sinfonia.
E falar de “Grande Sertão:Veredas” parece mesmo ser falar de música – como quer Vargas Llosa no prefácio da edição francesa (Vargas Llosa sobre Grande Sertão:Veredas) : “…como os sons ganham numa peça de música uma natureza autônoma, neste romance a linguagem conquistou sua independência, ela basta a si mesma, é seu próprio começo e seu próprio fim. Uma tal leitura, que se deixasse submeter a um encantamento fonético, sucumbindo à magia verbal, faria aparecer o romance de Guimarães Rosa como uma torre de Babel miraculosamente suspensa acima da realidade humana, separada dela e entretanto viva, um edifício mais próximo da música (ou de uma certa poesia) que da literatura”. Ou, para Asensio é como falar de uma “imensa sinfonia… que é urgente escutar de novo, e reler, como todo grande romance deve ser relido não uma ou duas vezes, mas várias vezes, e não apenas para saborear um pouco mais as sutilezas do texto ou compreender de que maneira o autor ocultou eruditamente o segredo de Diadorim ou como o homem se constitui…será preciso reler Grande Sertão enquanto nos sobrar o alento desse «homem humano» tão efêmero quanto infinito.”

Sabe-se que o “Grande sertão…” foi traduzido pela primeira vez em França, em 1965, por Jean-Jacques Villard en 1965, sob o título de “Diadorim“, e de novo sob o mesmo título em 1991, por Maryvonne Lapouge-Pettorelli, tradução reeditada em 1995 et 1997 (cfme. Torres 2009). Concordo com Asensio que : “Diadorim é um título enganoso [para a tradução francesa], pois o original evoca, mais que a personagem de olhos verdes envolta em pesada fragrância erótica, o sertão…” Com vocês, mais uma leitura interessantes e que nos deixa orgulhosos como leitores lusófonos (e de tantos amigos francófonos): mes amis, je vous présente “cette melodie infinie” (Cândido-Torres) : uma releitura francesa deste monólogo infinito e apaixonante do mais fundo Brésil profond : le Sertão.
Guimaraes Rosa_Estante

Por tudo isso, tenho a alegria de republicar hoje o texto deste ilustre amigo virtual Juan Asensio em duas versões.
1 – Asensio sur Guimaraes Rosa en Français; 2 – Artigo sobre Grande Sertão: Veredas, Asensio em Português.

++++
Fontes: (*) Citações de Juan Asensio do site http://stalker.hautetfort.com/
(1) CARPEAUX, Otto Maria. “História da Literatura Ocidental”, vol.8, pág. 2280.
(2) O desafio de traduzir Guimarães Rosa, TORRES, Marie-Hélène Catherine «Le défi de traduire Guimarães Rosa», Plural Pluriel – revue des cultures de langue portugaise, [En ligne] n° 4-5, automne-hiver 2009.